Governança Corporativa

Governança Corporativa

A governança corporativa da Samarco é o sistema pelo qual a empresa é dirigida, monitorada e incentivada.Envolve os relacionamentos entre os acionistas, conselho de administração, diretoria, órgãos de fiscalização e controle e outros stakeholders, baseados nos princípios de equidade, transparência e responsabilidade com as informações.

Essa estrutura permite aos acionistas um monitoramento eficaz dos resultados do negócio, garantia de atendimento a leis e regulamentos, e alinhamento dos valores, objetivos e estratégias da empresa.

Diretoria Executiva

É formada pela presidência e quatro diretorias, que acompanham de perto o dia a dia do negócio e a execução de seu plano estratégico. Conheça a seguir a liderança da Samarco:

Rodrigo Vilela

Presidente

Gustavo Selayzim

Diretor de Estratégia, Financeiro e Suprimentos

Najla Lamounier

Diretora Jurídica, de Riscos e Conformidade

Reuber Koury

Diretor Técnico e Projetos

Sergio Mileipe

Diretor de Operações

Conselho de administração

A empresa tem um Conselho de Administração, com caráter deliberativo colegiado, que conduz de forma estratégica os negócios. Ele é composto por oito membros indicados pelos acionistas, sendo quatro efetivos e quatro suplentes, com mandato de três anos e possibilidade de serem reeleitos. Suas principais responsabilidades estão estabelecidas no Estatuto Social da Samarco.

Compliance

Com os aprendizados adquiridos, promovemos as mudanças necessárias para escrever uma nova história e reconstruir as relações de confiança com a sociedade. Voltamos a operar de uma maneira diferente, com novas tecnologias e mais segurança, buscando sempre gerar valor duradouro para os territórios onde
atuamos.

Desde a aprovação da Licença de Operação Corretiva (LOC), em outubro de 2019, possuímos todas as licenças ambientais necessárias para o retorno das nossas atividades. Entretanto, optamos por aguardar a
implantação do sistema de filtragem, concluída em dezembro de 2020, que possibilita o empilhamento a seco de 80% do rejeito gerado. O restante será disposto em uma cava confinada, que permite a contenção
natural e com mais segurança.

Nossa retomada operacional está sendo gradual, inicialmente com 26% da capacidade produtiva, a partir da reativação de um dos três concentradores no Complexo de Germano, em Mariana (MG), de uma das quatro usinas de pelotização na unidade de Ubu, em Anchieta (ES), e operação de um dos minerodutos.

Continuamos empenhados em buscar soluções que introduzam inovações e melhorias em nossos projetos e operações, que fortaleçam o setor e contribuam para uma mineração diferente e mais sustentável.